• Zé Ricardo (TrEiNoPeT)

BRINQUEDO É COISA MUITO SÉRIA

Atualizado: Jun 15

Brinquedos ajudam a reduzir o tédio e a aliviar o estresse dos nossos cães, melhorando a saúde mental deles e, ainda, minimizando uma série de comportamentos indesejáveis ou problemas comportamentais.


Existem os brinquedos que você usa para brincar ou jogar com o seu cachorro, como as bolinhas e os cabos-de-guerra, entre outros, e existem os brinquedos que o seu cão pode brincar por conta própria, e é sobre essa segunda categoria que eu quero falar hoje.


Os cães têm uma enorme necessidade de morder, mastigar e roer. São comportamentos naturais da espécie que eles precisam expressar, e eles só podem contar conosco: só nós podemos garantir-lhes essas oportunidades.


Então, eu recomendo fortemente que vocês forneça ossos recreativos (jamais ossos que tenham sido assados ou cozidos), cascos bovinos, chifres bovinos (os de búfalo são mais rígidos, e eu só recomendo para alguns cães), "ossos" de nylon com aromas naturais, e outros brinquedos que tenham sido desenvolvidos para um cão da idade e do tamanho do seu, e que possam ser deixados com o cão para que ele interaja sozinho sem correr riscos.


Cada cão tem suas preferências. Por isso, até que você conheça bem as preferências do seu cachorro, você precisa oferecer uma boa variedade para, depois, descartar alguns tipos, se for o caso. Lembrando que, quanto mais tipos diferentes você oferecer e seu cão gostar, melhor para manter a mente dele aguçada e ele sempre motivado. Alguns cães amam morder brinquedos de corda, e você só tem que escolher uma boa marca e um produto que não desfie com facilidade para experimentar.


Antes de adquirir estes importantes itens de enriquecimento da rotina do cão, pesquise o máximo que você puder sobre a segurança das marcas, dos modelos e dos tamanhos. Os riscos geralmente considerados mais relevantes são os seguintes:

* fratura de dentes, normalmente associada a ossos verdadeiros muito rígidos e de tamanho inadequado (na dúvida, opte pelos não tão rígidos; se estiver na dúvida entre dois tamanhos, escolha o maior);

* ingestão de pedaços, de qualquer coisa que seu cão consiga quebrar ou arrancar pedaços grandes e ou afiados que, se engolidos, podem causar ferimento e sangramento interno, ou podem ficar alojados ou grudados no trato gastrintestinal.


É fato que a maioria das marcas presentes no mercado não é segura nem durável! E as lojas físicas e on-line, em sua grande maioria, disponibilizam de tudo sem nenhum critério. É fácil se perder num mundo de variedades e acabar comprando coisas que vão te frustrar (ou pior, colocar seu cão em risco).


Algumas das marcas mais reconhecidas no mercado mundial são

Benebone (https://www.benebone.com/products/),

Kong (https://www.kongcompany.com/dog) e

Pet Stages (https://petstages.outwardhound.com/).

Todos os brinquedos dessas marcas são fabricados nos EUA e chegam aqui com preços bem "salgados". Porém, quase sempre, "o caro sai barato", porque

(1) os cachorros geralmente adoram suas formas interessantes e seus aromas naturais de madeira, frango, carne, bacon, amendoim etc.,

(2) eles vão durar incrivelmente mais do que as versões mais baratas, e

(3) eles são atóxicos e, fisicamente, muito mais seguros.


Entre os fabricados por aqui, os mais reconhecidamente seguros e amados pelos pets são os das marcas

Pet Games (http://www.petgames.com.br/produto/para-caes) e

Buddy Toys (https://www.buddytoys.com.br/).

A vantagem está no preço, e a desvantagem está no fato de que eles não possuem os tais aromas naturais que ajudam a atrair e instigar os cães.


Em relação aos "ossos" e a outros brinquedos de morder/mastigar/roer, eu prefiro deixá-los com um cachorro por tempo limitado e, depois, pegá-los de volta e guardá-los. Por quê? Se esses itens forem deixados por longos períodos à disposição dos cães ou se forem oferecidos todos os dias sem um revezamento, a alta disponibilidade e a falta de variedade podem acabar fazendo com que o cão perca o interesse.

Outra coisa extremamente importante é a maneira de introduzir um brinquedo novo: em vez de simplesmente dar o brinquedo para o seu cachorro, você deve instigá-lo a pegar o brinquedo, e você deve ficar perto do seu cão para fazer-lhe companhia e monitorar as primeiras interações dele com aquele brinquedo novo. Depois que o cão estiver gostando muito do brinquedo e você estiver confiante de que nem o brinquedo nem o jeito do seu cão interagir com ele oferecem riscos significativos, você pode passar a oferecer o brinquedo ao animal quando quiser que ele fique ocupado, inclusive quando ele for ficar sozinho em casa ou sem supervisão por qualquer outro motivo.


Aliás, para que um cão possa ser deixado em casa sozinho, primeiro ele precisa ser preparado para isso; caso contrário, ele pode ficar bastante estressado na ausência de seu humano, podendo até desenvolver um quadro de ansiedade. Outro dia, a gente vai conversar especificamente sobre isso e, com certeza, a conversa também vai incluir brinquedos!


Voltando à questão do revezamento de brinquedos, existem várias formas de se fazer isso. Uma dessas formas é ter três grupos de três brinquedos cada. Cada grupo deve incluir brinquedos de três formas, texturas, aromas e funções diferentes (por exemplo, cada grupo contendo um osso de nylon, um brinquedo de borracha e um brinquedo de corda) e o revezamento deve ser diário. A cada três dias, seu cão terá brincado com nove brinquedos diferentes, e os brinquedos só vão se repetir no "quarto" dia.


O que você vai ler a seguir são mensagens reais que eu enviei a uma cliente (tutora de cão) que eu estava orientando. Nós já tínhamos uma consulta inicial agendada para 2 - 3 dias depois, mas eu levo o uso de brinquedos tão a sério que eu não queria que ela perdesse nem mais um dia. Então, o que eu disse foi mais ou menos o seguinte:


"Ela [a cadelinha da cliente] vai precisar roer ao longo de toda a vida dela, mas, agora [tratava-se de uma cadelinha de quatro meses], ela deve estar precisando mais ainda, pela questão da dentição. Eu posso te ajudar a encontrar os brinquedos certos para a idade e o tamanho dela."


"Você vai precisar de vários brinquedos de materiais, formas, texturas, funções e cores diferentes, e vai fazer um esquema de revezamento para ela não perder o interesse. Primeiro, você vai ter que 'ensiná-la a gostar' dos brinquedos. No início, você vai ter que dar cada brinquedo para ela quando você puder ficar observando, porque cada cão morde de um jeito, e a gente precisa ter certeza de que ela não vai conseguir se machucar nem tirar pedaço do brinquedo e engolir."


Brinquedo dispensador de ração – Nível Iniciante – Este, você não deve deixar com ela porque ele não é resistente a mordidas. Ela vai ter que fazer o brinquedo rolar – para que a ração saia pelos buracos – e vai comer a ração que for saindo. Acabando a ração, o brinquedo deve ser recolhido e guardado. Se for grande o suficiente para que ela não consiga abocanhar, a chance de estragar é menor. O tamanho do buraco por onde a ração sai é regulável. No começo, para facilitar, você deve deixar o buraco todo aberto. Com o tempo, você vai aumentando a dificuldade aos pouquinhos. Em vez de dar a ração numa tigela, você vai dar neste tipo de brinquedo. O cachorro interage de uma forma que lembra a atividade natural de forragear, ou seja, ele tem que trabalhar para conseguir o alimento, ele tem que fazer alguma coisa para gerar uma consequência, isso é natural para um cão, mas receber o alimento "de mão beijada" numa tigela é antinatural. Porém, enquanto ela estiver aprendendo a usar o brinquedo, tem que ser fácil: a diversão tem que ser maior que a frustração. Quando ela já estiver mais confiante e com mais habilidade, você pode começar a aumentar (gradualmente) a dificuldade, e ela não vai desistir, só vai ter que se esforçar mais e vai demorar mais a comer, que é exatamente o objetivo dessa importante ferramenta.

Brinquedo Recheável – O Kong (Classic) é o clássico dos clássicos, mas o Monstrinho (ou a Bonequinha) da Pet Games e a Colmeia da Buddy Toys cumprem bem a função. E não é nenhum exagero se você quiser ter um de cada (variedade e revezamento é recomendável). Estes brinquedos PODEM ficar com o cachorro mesmo se estiverem sem recheio, pois são quase "indestrutíveis" e têm uma longa história de quase nunca soltar pedaço. Você vai rechear esses brinquedos com alimento úmido / pastoso, e seu cão vai ficar entretido por bastante tempo. Enquanto tiver alimento dentro, o cão vai ficar lambendo ou fazendo o que for preciso para comer o recheio. Se o alimento for de lamber, é provável que o cachorro deite e fique curtindo. Quando o recheio acabar, ele vai poder ficar mordendo o brinquedo, se quiser. É muito bom para deixar com o cachorro quando você for se ausentar. Enquanto o cão estiver "aprendendo a gostar do brinquedo", você coloca um alimento mais sólido e não enche muito o brinquedo, para que saia com mais facilidade. Depois que o cão pegar o jeito, você começa a colocar o alimento mais compactado, e começa a misturar sólido com pastoso. E, quando seu cão já estiver craque, você pode rechear somente com alimento pastoso e congelar. Assim, o cachorro fica ocupado por mais tempo, mas se tiver passado gradualmente por todas as fases, ele não vai desistir. Como qualquer outra coisa que você apresente a uma cão, as fases devem ser seguidas, pois, se você acelerar o processo ou 'queimar' etapas, o cachorro pode achar difícil e desistir, em vez de ficar cada vez mais entretido e motivado. Na idade da sua cachorrinha, você tem a opção do Kong Puppy, que tem a borracha menos rígida [além da Classic e da Puppy, existem também as versões Extreme e Senior, cada versão em uma variedade de tamanhos].


"Ossos" de Nylon – Eu os considero imprescindíveis, e não curto muito os ossos naturais (mas gosto dos cascos e chifres de boi), mas isso tem a ver com experiências próprias, sem valor estatístico.



"Por que é que eu, mesmo sem nem ter conhecido a sua cachorrinha, já estou falando tanto de brinquedos? É porque você me disse que ela já roeu alguns móveis e até uma quina de parede, o que me fez pensar que a coisa mais importante e mais urgente neste momento seja dar a ela alternativas aceitáveis (coisas que ela pode morder e roer) e 'ensiná-la a preferir' essas alternativas. Mas, claro, quando eu chegar aí e descobrir a situação geral dela, vou poder orientar vocês sobre outras coisas, já que a gente sempre vai precisar trabalhar em várias frentes, tais como autocontrole, calma e relaxamento, boas maneiras e obediência básica."